A Síria denuncia a pilhagem maciça de antiguidades pelos EUA e França
O Diretor  Geral de Antiguidades e Museus da Síria, Mahmud Hamud,  denuncia que agentes dos Estados Unidos e da França e de seus aliados curdos estao promovendo o SAQUE do patrimônio arqueológico no norte do território Sírio.
 
Tropas dos EUA, França e as chamadas  Forças Democráticas da Síria (FDS) estão realizando “escavações ilegais” na cidade de Manbij alertou o diretor da Direcção-Geral de Antiguidades e Museus da Síria, Mahmud Hamud, citado ontem domingo pela agência estatal síria SANA .
 
Hamud explicou que os militares estrangeiros e seus apoiadores locais estão usando vários equipamentos técnicos para desenterrar uma área rica em antiguidades perto da montanha de Um al-Sarj, perto de Manbiy.
  
As tropas lideradas pelos EUA, segundo a agência, estão realizando operações semelhantes no “antigo mercado” e em outros locais históricos da província de Aleppo, no norte do país, atualmente sob o controle de milícias curdas apoiadas por Washington .
 
“Escavações, saques e roubos também ocorrem em túmulos arqueológicos a leste da cidade de Manbij”, acrescentou Hamud.  Essas operações constituem  uma grave violação da soberania síria e convenções e normas internacionais.
 
Escavações, saques e roubos também ocorrem em túmulos de valor arqueológico a leste da cidade (Síria) de Manbiy “, disse Mahmud Hamud.
 
“Esperamos que o Exército Sírio devolva a paz e a segurança a todas essas áreas em breve, porque é a única força capaz de proteger nossa herança”, acrescentou o funcionário.
Hamud também alertou sobre o aumento de escavações arqueológicas em áreas controladas por organizações terroristas na província de Idlib  ( EBLA) (noroeste), bem como na região de Afrin, no norte de Aleppo, dominada por grupos armados apoiados pela Turquia.
 
Desde o início do ataque terrorista, o governo de Damasco, alertou que grupos extremistas cooperar no domínio da inteligência com potências estrangeiras como o regime de Israel e da Turquia para contrabandear objetos de valor roubados do país árabe.
 
   
Lembrando que Manbij  é a famosa Hierápolis Bambice que é uma antiga cidade da Síria. Atualmente, a cidade encontra-se sob controle curdo
Hierápolis Bambice era um santuário desde um tempo muito recuado, mas registros históricos só começam na época dos Selêucidas, que a fizeram a principal cidade na estrada entre Antioquia e Selêucia. Também se tornou um centro de adoração da deusa Atargatis. No século III se tornou capital da província do Eufrates, e uma das maiores da Síria, mas depois caiu em ruínas.
 
Harune Arraxide a restaurou e no século VIII se tornou motivo de disputa entre bizantinos, árabes e turcos. Foi capturada pelos cruzados no século XII, mas Saladino a reconquistou em 1175. Depois foi sede dos mongóis de Hulagu, que a destruíram. Hoje restam suas ruínas, formando um importante sítio arqueológico.
 
Sob o Império Otomano, Manbij foi uma kaza (distrito) da província de Alepo. Em 1879, após a Guerra Russo-Turca, uma colônia de Circassianos de Vidin (Widdin) foi implantada na área das ruínas. Em 1911, sua população era de 1.500 habitantes.
 
 
Syrian antiquities chief accuses U.S. of looting artifacts in northern Syria
 
DAMASCUS, Dec. 9 (Xinhua) — Syrian Director General of Museums and Antiquities Mahmoud Hammoud said on Sunday that the United States, France and allied Kurdish militia are carrying out illegal excavations in ancient sites in northern Syria, according to state news agency SANA.
 
The U.S., French and the Kurdish-led Syrian Democratic Forces (SDF) are looting artifacts in the Um al-Sarj mountain, said Hammoud.
 
He added that the mountain, which is rich in artifacts, is located near the Kurdish-controlled city of Manbij in the northern countryside of Aleppo. The U.S.-led forces are reportedly doing the same thing in the ancient souk of Manbij.
 
“The excavations, looting and robbery are also taking place in the archaeological tombs in the eastern side of Manbij,” Hammoud said.
 
The official described these acts as “crimes and a violation of the Syrian sovereignty,” noting that the museum and antiquities department in Syria is communicating with international organizations to condemn the violations of the Syrian cultural heritage.
 
“We hope that the Syrian army would return peace and security to all those areas soon because it’s the only force capable of protecting our heritage,” he said.
 
Hammoud’s remarks are part of an intensified government campaign against the U.S.-led coalition, which has been operating in Syria since 2014.
 
Earlier on Sunday, Syria’s Deputy Foreign Minister Faisal Mekdad urged for condemnation of the “crimes” of the U.S.-led coalition in Syria.
 
The U.S.-led coalition has been targeting the last vestige of Islamic State (IS) territory on the eastern bank of the Euphrates River in the eastern countryside of Deir al-Zour as part of the support to the SDF militia.
 
The SDF, with the backing of U.S.-led airstrikes, launched a campaign to defeat the IS on the eastern bank of the Euphrates River since Sept. 10.